As novas armas no combate ao Cancro

A estatística é aterradora: uma em cada duas pessoas vai ter cancro. Por ano, a doença mata mais de 8 milhões em todo o mundo. São 14 Milhões de pessoas diagnosticadas com cancro a cada ano. Por isso, a comunidade científica procura novas formas de enfrentar em inimigo velho. A mais promissora? O próprio sistema imunitário.

Uma das novas armas de combate ao cancro é a Imunoterapia

A imunoterapia usa as defesas do sistema imunitário para atacar as células tumorais, por exemplo, com um vírus.

Na génese da terapia está o facto de o cancro – ao contrário de outras doenças – não ser um invasor. Consiste em células do próprio organismo que cresceram anormalmente, pelo que o sistema imunitário não as reconhece como externas e, por isso, não as ataca. Isso acontece porque os tumores são capazes de se camuflar, produzindo diferentes proteínas na sua superfície que fazem com que o sistema imunitário acredite que são células normais. A imunoterapia pretende restituir essa capacidade, ensinando o sistema imunitário a reconhecer e destruir as células cancerígenas, até eliminar o cancro por completo.

Era da precisão

Esta abordagem é o resultado de um maior conhecimento da biologia do tumor e das alterações genéticas associadas à doença. Os avanços da genómica e dos biomarcadores, que permitem identificar mutações genéticas e outras anomalias moleculares associadas a vários tumores, estão a abrir o caminho a tratamentos à medida de cada paciente, tendo em conta os aspetos únicos do seu cancro.

Vários oncologistas recorrem já a análises de ADN do tumor de pacientes com cancros avançados na esperança de os emparelhar com tratamentos promissores, mas não é ainda claro se isso está a melhorar significativamente a sobrevivência dos pacientes.

Biópsias líquidas

Identificam o ADN do tumor que circula na corrente sanguínea, ao contrário da biópsia tradicional que analisa o tecido retirado do tumor. São uma forma não invasiva de puder analisar um cancro repetidamente, traçar o perfil genético, e escolher os melhores fármacos para as mutações encontradas, perceber rapidamente se o tratamento está a funcionar e ajustá-lo à medida que o cancro evolui. A esperança é que seja possível usá-las rotineiramente para detetar cancro cada vez mais cedo. Já usadas em algumas instituições – cerca de 10% dos pacientes do MD Anderson Center, nos EUA, com cancro metastizado do cólon recorrem a elas.

Era da combinação

É possível que um dia se venha a personalizar a imunoterapia do cancro usando vacinas terapêuticas que ajudem a desencadear uma resposta imunológica específica contra o tumor em cada paciente. A abordagem inclui as vacinas de células dendríticas – células do próprio paciente que, depois manipuladas em laboratório, são reinjetadas no organismo para estimular o sistema imunitário a atacar o tumor – um tratamento ainda em fase experimental, mas que tem levado muitos Portugueses à Alemanha, onde é administrado por algumas clínicas que prometem elevadas taxas de sucesso sem estudos que as comprovem. Em Portugal há estudos em fase III com recrutamento aberto, por exemplo no cancro da próstata metastizado, informa a Sociedade Portuguesa de Oncologia.

E você sabia que a bebida MOA estimula de forma natural o seu sistema Imunitário?

A bebida MOA é uma super bebida sem açúcar adicionado, sem conservantes artificiais e embalada a frio, preservando todos os princípios ativos naturais dos ingredientes orgânicos. Ingredientes de origem biológica, que nutrem as suas células, e ao mesmo tempo proporcionam propriedades desintoxicantes, anti-inflamatórias, antibacterianas, inclusive anticancerígenas, antidiabéticos, entre outros, reforçando a sua imunidade e prevenindo a degeneração.

Clique aqui para conhecer melhor a bebida MOA!

Clique aqui para ler testemunhos de pessoas com a bebida MOA!

2016-12-29T06:13:43+00:00 June 22nd, 2015|